shopping-bag 0
Items : 0
Subtotal : 0.00 
Ver Carrinho Check Out

Notícia

Atlético, 1 – Feirense, 1 | Crónica

Guarda-redes do Atlético nega segunda vitória ao Feirense

O Feirense foi a Lisboa empatar com o Atlético a uma bola, em jogo a contar para a jornada 10 da Segunda Liga, disputado no Estádio da Tapadinha. Fabinho colocou o Feirense na frente do marcador aos 16 minutos mas Celestino, no terceiro minuto de descontos da primeira parte, empatou o jogo com um remate perfeito na cobrança de um livre direto. A equipa de Pepa esteve muito perto da vitória nos últimos minutos do encontro, mas o guarda-redes alcantarense negou essa felicidade aos fogaceiros com uma enorme defesa, tornando-se assim o herói do jogo.

Para este jogo, Pepa manteve a velha máxima de “equipa que ganha não se mexe”, apostando na mesma equipa que venceu o Famalicão na jornada anterior. O Feirense criou a primeira grande oportunidade de golo aos 10 minutos. Sérginho, na cobrança de um livre lateral, cruzou para a cabeça de Kukula que acertou em cheio no poste da baliza de Meira. Os azuis eram mais objetivos no ataque, colocando sempre a defensiva local em sobressalto. Aos 16 minutos, numa rápida jogada de contra-ataque iniciada por Platiny, junto à área fogaceira, o mesmo Platiny apareceu na área a rematar forte para uma grande defesa do guarda-redes do Atlético, mas na recarga Fabinho não desperdiçou a oportunidade e fez o golo do Feirense. Os alcantarenses responderam ao golo sofrido cinco minutos depois, através de um remate forte de Jorge Ribeiro, a que Makaridze correspondeu com uma enorme defesa. A equipa de Pepa jogava em contensão, lançando bolas para as costas da defesa do Atlético, criando muitos problemas à equipa da casa, levando sempre perigo à área contrária. Os fogaceiros, com uma exibição muito personalizada, controlavam o jogo e mantinham o seu adversário longe da sua baliza. Perto do intervalo, em mais uma jogada de perigo criada pelos comandados de Pepa, Kukula cruzou de cabeça para a entrada de Platiny que chegou atrasado à bola quando tinha a baliza aberta. Na última jogada da primeira parte, a equipa do Atlético beneficiou de um livre frontal à baliza de Makaridze e, na cobrança, Celestino rematou em arco fazendo a bola entrar “na gaveta”, não dando qualquer hipótese de defesa ao guardião fogaceiro. Ao intervalo o marcador registava uma igualdade a uma bola.

O Feirense manteve a postura do primeiro tempo, com um bloco muito bem organizado, coeso, não dando muitos espaços ao adversário para construir jogadas de ataque. O Atlético mostrava sérias dificuldades para chegar à área fogaceira com perigo, apenas conseguindo incomodar a defesa dos fogaceiros em lances de bola parada. O treinador do Feirense, Pepa, quis assumir as despesas do jogo e, aos poucos, foi refrescando o ataque da sua equipa. Primeiro, tirou Kukula e colocou Erivaldo no seu lugar, tentando explorar a velocidade do extremo para criar desequilíbrios na defesa contrária. Pouco depois lançou Porcellis no jogo para o lugar do esgotado Platiny. Os fogaceiros subiram as linhas e passaram a jogar mais no meio campo do Atlético, mas o último reduto alcantarense “cerrou fileiras” e ia tapando todos os caminhos para a sua baliza. A equipa do Feirense mostrava que estava em campo para conquistar os três pontos em disputa e era globalmente melhor do que o seu adversário. Em período de descontos, o guarda-redes do Atlético segurou o empate para a sua equipa, com uma extraordinária defesa, ao negar um golo que parecia certo a Porcellis. O jogo terminou pouco depois com a igualdade a uma bola construída na primeira parte.

Conferência de imprensa
O presidente Rodrigo Nunes surgiu na sala de imprensa, acompanhado por Franklim Freitas, visivelmente transtornado, e começou por pedir desculpas aos jornalistas presentes dizendo que “O nosso treinador não pode estar aqui para comentar o jogo porque não está em condições psicológicas para o fazer depois do que se passou aqui hoje”, disse, esclarecendo de seguida dizendo que “Não estamos em condições para falar de futebol porque, não há razão nenhuma para estar um policia à bastonada aos jogadores do Feirense dentro do balneário no intervalo do jogo. Dá que pensar, o que estaria um polícia a fazer dentro do nosso balneário se ele não pode lá estar”.

Jorge Andrade, treinador do Atlético, escusou-se a comentar factos extrafutebol e fez a sua análise ao jogo dizendo que “Foi um jogo contra uma equipa muito boa. Os nossos jogadores foram uns guerreiros porque, depois de estarmos em desvantagem, nunca viraram a cara à luta e conseguiram o empate. Há um penalti a nosso favor que não foi marcado por mão na bola de um defesa do Feirense. Devagar devagarinho vamos somando pontos”.

Segunda Liga | Jornada 10
03 Outubro | Sábado | 16h00
Estádio da Tapadinha – Lisboa

Atlético, 1 – Feirense, 1

Atlético: Mickael Meira, Lucas Rocha, Pierre Mbemba, Gerevini, Duarte Machado, Hélio Cruz (Palacios, 64′), Djikiné (Regula, 46′), Celestino, Minor Lopez (Stehb, 76′), Jorge Ribeiro e Vouho
Suplentes: Danilo, Jefferson, Palacios, Stehb, Pedro Almeida, Regula e Nadson
Treinador: Jorge Andrade

Feirense: Makaridze, Barge, Ícaro, Nuno Diogo, Serginho, Cris, Kukula (Erivaldo, 56′), Rúben Oliveira, Fabinho (Tiago Jogo, 82′), Vasco Rocha e Platiny (Porcellis, 69′)
Suplentes: Otávio, Carvalho, Semedo, Tiago Jogo, Porcellis, Erivaldo e Emma
Treinador: Pepa

Árbitro: João Mendes (AF Setúbal)
Assistentes: Jorge Maia e Manuel João

Ação disciplinar: cartão amarelo para Djikiné (31′), Ícaro (45’+3), Lucas Rocha (50′), Nuno Diogo (61′) e Regula (90’+3)

Marcadores
0-1 Fabinho (16’)
1-1 Celestino (45´+3)