shopping-bag 0
Items : 0
Subtotal : 0.00 
Ver Carrinho Check Out

Notícia

Gil Vicente, 1 – Feirense, 0 | Crónica

QUEM NÃO MARCA…

O Feirense foi derrotado por uma bola a zero pelo Gil Vicente, em jogo referente à jornada 22 da Segunda Liga, disputado no Estádio Municipal de Barcelos. Cadu, aos 63 minutos, foi o autor do único golo do encontro. Apesar da derrota, a equipa de Pepa segue no segundo lugar da classificação, com os mesmos 39 pontos com que partiu para esta ronda e com mais 2 pontos do que o terceiro classificado, o Chaves.

O Feirense entrou muito bem no jogo, personalizado, procurando ter a bola no pé, assumido o jogo, mostrando que estava em campo para discutir os três pontos em disputa. Num início de encontro jogado a um ritmo elevado, a bola aparecia com perigo junto das duas balizas com alguma frequência, pertencendo, no entanto, aos fogaceiros as oportunidades mais flagrantes. Os gilistas Cadu e Goba, no espaço de dois minutos, criaram as primeiras situações de algum perigo para a baliza à guarda de Makaridze, com o primeiro a rematar para fora e o segundo atirou para defesa do guardião fogaceiro. Os homens de Pepa responderam pouco depois com duas oportunidades flagrantes para inaugurar o marcador. Aos 13 minutos, o defesa-central Ícaro cruzou para o interior da área, Platiny não conseguiu chegar ao esférico e este sobrou para Kukula que, em boa posição, rematou por cima da barra. Três minutos depois foi a vez do ponta de lança fogaceiro, Platiny, rematar a escassos centímetros do poste quando todos se preparavam para festejar o golo que parecia certo. O jogo estava vivo, com jogadas de parada e resposta, obrigando às defesas a trabalhos redobrados para manter as suas balizas invioladas. Com o passar dos minutos o Feirense foi conseguindo segurar o seu adversário no centro do terreno, controlando o jogo e mantendo os avançados gilistas mais longe da sua baliza. Aos 34 minutos Serginho rematou com algum perigo para a baliza do Gil Vicente, mas a bola saiu um pouco ao lado. O relvado escorregadio impedia que a equipa de Pepa impusesse toda a sua qualidade no jogo, jogando de pé-para-pé, como gosta de o fazer, mas não impedia de ser a equipa mais objetiva, com melhor critério na hora de definir os lances, pertencendo-lhe as melhores oportunidades de golo durante os primeiros 45 minutos. Ao intervalo o nulo mantinha-se no marcador.

No reatamento, o treinador do Feirense, Pepa, fez a primeira alteração na equipa fogaceira, tirando Kukula e colocando no seu lugar o extremo Erivaldo. Com um ritmo de jogo diferente no início da etapa complementar, o Feirense não conseguia chegar à área gilista com a mesma facilidade com que o havia feito na primeira parte. A equipa de Pepa não conseguia ter bola e via o seu adversário ser mais objetivo no ataque, criando alguns lances de relativo perigo para a sua baliza. Aos 57 minutos Makaridze fez uma extraordinária defesa ao parar um remate de Vagner, desviando a bola pela linha de fundo. Seis minutos depois o Gil Vicente inaugurou o marcador. Na sequência de um canto apontado por Avto, Cadu saltou mais alto do que os defesas fogaceiros e cabeceou certeiro para o fundo das redes de Makaridze, que nada podia fazer para evitar o golo dos gilistas. Aos 71 minutos, num livre cobrado por Serginho, Ícaro correspondeu ao cruzamento do seu colega de equipa e cabeceou com muito perigo mas um pouco ao lado da baliza gilista, perdendo-se uma excelente oportunidade de golo para os azuis. Insatisfeito com o desenrolar dos acontecimentos, Pepa fez a segunda alteração, trocando Fabinho por Michael, e numa renovada demonstração de querer dos jogadores fogaceiros, o jogo voltou a ver lances de perigo junto da baliza do guardião Serginho. Aos 76’, Platiny criou a primeira ocasião de golo para o Feirense na segunda parte, com um cabeceamento que ficou a milímetros do golo. Cinco minutos volvidos e o ponta de lança fogaceiro voltou a ameaçar a baliza gilista, desta vez com um desvio de calcanhar que não resultou em golo por mera infelicidade. Os azuis carregavam sobre o Gil Vicente em busca da igualdade e, novamente Platiny, aos 81 minutos, rematou forte mas o remate saiu a raspar no poste. Dois minutos volvidos e Emma imitou o seu colega, rematando forte mas ao lado da baliza de Serginho. Em período de compensação, Barge arrancou um cruzamento para a cabeça de Nuno Diogo que atirou por cima, na derradeira oportunidade de golo para o Feirense, com o jogo a terminar pouco depois com a derrota dos fogaceiros por uma bola a zero.

Conferência de imprensa
“Hoje não foi possível vencer por muito mérito do Gil Vicente. Foram melhores e há que dar os parabéns ao Gil. Tivemos oportunidades para finalizar até na pequena área mas ficamos aquém. Finalmente chegou ao fim um ciclo terrível, muito difícil e muito desgastante”.
Pepa, treinador do Feirense

“Sabíamos que ia ser um jogo difícil porque conhecíamos a qualidade da equipa que íamos defrontar hoje, que está na posição que está e não é fruto do acaso. O Feirense tem bons valores individuais e é coletivamente muito forte. Depois do golo baixamos o bloco. Foi uma vitória justa contra uma equipa muito poderosa”.
Nandinho, treinador do Gil Vicente

Segunda Liga | Jornada 22
20 Dezembro | Domingo | 15h00
Estádio Municipal de Barcelos

Gil Vicente, 1 – Feirense, 0

GIL VICENTE: Serginho, Alphonse, Avto, Cadu, Sandro Costa, Djamal, Pedro Lemos, Paulinho (Vítor Gonçalves, 59’), Bruno Silva (Ricardinho, 75’), Vagner (Yeo, 79’) e Goba
SUPLENTES: Ivan Samada, Vítor Gonçalves, Yeo, Ricardinho, Ishmael Yartey, Jonhatan Toro e João Silva
TREINADOR: Nandinho

FEIRENSE: Makaridze, Serginho, Barge, Ícaro, Nuno Diogo, Cris, Fabinho (Michael, 68’), Rúben Oliveira (Emma, 77’), Vasco Rocha, Kukula (Erivaldo, 45’) e Platiny
SUPLENTES: Otávio, Mika, Michael, Semedo, Vieirinha, Erivaldo e Emma
TREINADOR: Pepa

ÁRBITRO: Nuno Almeida (AF Algarve)
ASSISTENTES: Paulo Ramos e Pais António

AÇÃO DISCIPLINAR: Cartão amarelo para Alphonse (16’), Fabinho (22’), Pedro Lemos (23’), Bruno Silva (32’), Barge (43’), Cadu (71’) e Serginho (90+4’)

MARCADORES:
1-0 Cadu (63’)