shopping-bag 0
Items : 0
Subtotal : 0.00 
Ver Carrinho Check Out

Notícia

Famalicão, 1 – Feirense, 0 | Crónica

DEPOIS DE REDUZIDOS A NOVE FICOU DIFÍCIL

O Feirense perdeu com o Famalicão por uma bola a zero, em jogo da jornada 32 da Ledman Liga Pro, disputado no Estádio Municipal de Famalicão, terminando o encontro reduzido a nove jogadores, após as expulsões de Nuno Diogo e Vasco Rocha. Num jogo muito tático de parte a parte, foi mais feliz a equipa da casa que, a três minutos do final, aproveitou uma das escassas oportunidades que dispôs, por intermédio de Diogo Santos, num remate bastante colocado de fora da área. Com este resultado o Feirense mantém o terceiro lugar no campeonato, agora na companhia do Famalicão, com os mesmos 55 pontos.

Para este jogo, o treinador fogaceiro, Pepa, foi forçado a mexer no xadrez da sua equipa, em virtude dos castigados Barge e Platiny, habituais titulares. Pepa colocou, na baliza, Luís Ribeiro, que se estreou “de castelo ao peito”, por troca com Makaridze, Mika apareceu como lateral direito, no lugar de Barge, e João Viera foi o ponta de lança neste jogo.

O início do jogo foi marcado pelo grande equilíbrio no retângulo de jogo, sem que nenhuma das equipas tivesse maior ascendente sobre a outra, com o perigo a andar longe das duas balizas nos primeiros quinze minutos do encontro. A equipa do Feirense apresentava-se em campo com grande rigor tático, sempre muito equilibrada, preenchendo muito bem os espaços não permitindo que o seu adversário, com maior posse de bola, criasse qualquer ocasião de maior perigo junto da sua área. Os santamarianos iam controlando o jogo, com os lances a serem disputados sempre no miolo do terreno, impunham o ritmo e nunca deixavam procurar a baliza famalicense. Neste primeiro tempo, a equipa de Daniel Ramos nunca demonstrou capacidade para ultrapassar a melhor organização fogaceira, que se mantinha firme e segura, nunca vacilando nas suas tarefas mais defensivas, controlando, como já foi referido, o meio campo e tentando chegar à área contrária com perigo. Do outro lado, a equipa do Famalicão mostrava grandes cautelas no seu sector mais recuado, mais preocupada em não sofrer do que marcar, apenas espreitando os lances ofensivos em lances de bola parada ou esporádicos contra-ataques, mas sempre sem criar qualquer situação de maior apuro para a baliza à guarda de Luís Ribeiro. Em período de compensação na primeira parte, Nuno Diogo assustou o guardião da equipa da casa ao emendar de cabeça um bom cruzamento de Serginho, fazendo a bola passar muito perto da baliza famalicense. Ao intervalo mantinha-se o nulo no marcador.

A toada de jogo manteve-se na etapa complementar, com as defesas a sobreporem-se aos ataques, mantendo o perigo bem longe das duas balizas. No reatamento da partida, Pepa mexeu na sua equipa, tirou Rúben Oliveira e colocou em campo Kukula, tentando explorar a velocidade do extremo como forma de chegar com mais frequência à baliza famalicense. Pouco depois, o técnico fogaceiro fez nova alteração, numa clara demonstração de que queria mais do que o empate, retirando o ponta de lança João Vieira, que foi alvo de marcação cerrada durante todo o tempo em que esteve em campo, e colocou no seu lugar o extremo Ali Meza, dando maior velocidade nos corredores para tentar levar perigo à baliza de Emanuel Novo. A estratégia de Pepa sofreu duro golpe aos 67 minutos, porque, em cinco minutos, Nuno Diogo viu dois cartões amarelos e foi expulso, deixando o Feirense reduzido a dez jogadores. Aos 70 minutos Luís Ribeiro foi chamado a mostrar serviço e fez uma excelente defesa a desviar um remate de meia distância de Diogo Santos, no primeiro lance de real perigo no jogo. O guarda-redes fogaceiro voltou a brilhar aos 79 minutos, voando para negar o golo a Leandro Souza que emendou um cruzamento de Daniel. Aos 87 minutos, num remate de fora da área, Diogo Santos fez o golo para o Famalicão, não dando qualquer hipótese de defesa a Luís Ribeiro. No minuto seguinte, o árbitro Rui Costa mostrou o cartão vermelho direto a Vasco Rocha, ficando o Feirense reduzido a nove elementos. Até final, e em inferioridade numérica, a equipa de Pepa não foi capaz de levar perigo à baliza do Famalicão, acabando derrota por uma bola a zero.


CONFERÊNCIA DE IMPRENSA
“Quero dar os parabéns ao Feirense que nunca se intimidou. Há muitas formas de ganhar e estar na vida e o que aconteceu aqui hoje foi uma vergonha, mas só tenho a dizer que vão levar connosco até ao fim”.
Pepa, treinador do Feirense

“O Feirense tem legitimidade para se assumir como candidato porque tem valor para isso. É certo que tivemos muito poucas oportunidades de golo, mas fomos mais felizes e vencemos uma das melhores equipas do campeonato”.
Daniel Ramos, treinador do Famalicão

Ledman Liga Pro | Jornada 32
28 Fevereiro | Domingo | 15h00
Estádio Municipal de Famalicão

Famalicão, 1 – Feirense, 0

FAMALICÃO: Emanuel Novo, João Pedro, Silvério, Daniel, Jorge Miguel, Diogo Santos, Vítor Lima, Mauro (Chico, 71’), Feliz, Diego Medeiros (Amessan, 77’) e Leandro Souza
SUPLENTES: Chastre, José Vilaça, Joel, Ibrahima, Amessan, Lengoualama e Chico
TREINADOR: Daniel Ramos

FEIRENSE: Luís Ribeiro, Mika, Serginho, Nuno Diogo, Ícaro, Fabinho (Micael, 75’), Cris, Rúben Oliveira (Kukula, 45’), Vasco Rocha, Kizito e João Vieira (Ali Meza, 65’)
SUPLENTES: Dele Alampasu, Micael, Semedo, Hélder Castro, Ali Meza, Porcellis e Kukula
TREINADOR: Pepa

ÁRBITRO: Rui Costa (AF Porto)
ASSISTENTES: Tiago Costa e Miguel Avelar

AÇÃO DISCIPLINAR: Cartão amarelo para Rúben Oliveira (32’), Nuno Diogo (63’ e 67’), João Pedro (64’), Chico (90+3’), Cris (90+4’)
Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Nuno Diogo (67’)
Cartão vermelho direto para Vasco Rocha (89’)

MARCADORES:
1-0 Diogo Santos (87’)

07